23 Curiosidades da Austrália que você precisa conhecer

Quando se pensa em viajar a passeio ou para estudar inglês, a Austrália é um dos países mais procurados. Com um clima agradável e lindas paisagens a Austrália chama atenção de muitos turistas e estudantes do mundo todo.

E se você também se simpatiza com esse país ou sonha em visitá-lo vale a pena conhecer algumas curiosidades da Austrália. Então dá uma conferida na lista e aumente ainda mais o seu conhecimento.

1.   A Austrália é um País do hemisfério sul e fica localizado na Oceania.

2. Melbourne foi considerada a melhor cidade do mundo para se viver por 3 vezes desde 2010.

3. O idioma oficial da Austrália é o inglês, mas são falados cerca 200 dialetos e línguas diferentes. Sendo 45 de origem indígena.

4. Antes da colonização europeia iniciada no final do século XVIII a Austrália era habitada por cerca de 250 nações individuais de aborígenes.

5. Era ilegal na Austrália, até 1902, dar um mergulho no mar durante o dia.

6. Ao contrário do que todos imaginam a capital da Austrália não é Sydney nem Melbourne. Devido a briga entre as duas cidades para serem a capital, o governo resolveu escolher Camberra.

7. Cerca de 85% da população da Austrália vive a menos de 50 km do litoral. É o pais com a população mais costeira do mundo!

8. Rica curiosidade da Austrália: Melbourne era a cidade mais rica do mundo em 1880.

 9. O segundo país do mundo a dar direito de voto às mulheres foi a Austrália, no ano de 1902.

10. Sabe qual é a maior estrutura viva do mundo? A Grande Barreira de Corais.

11. Que a Austrália é a terra do canguru todo mundo sabe, mas o curioso é que lá a carne do canguru também é consumida.

12. Lá existem mais de 60 espécies diferentes de cangurus.

13. Cerca de 25% da população australiana nasceu em outro país.

14. A qualidade de vida na Austrália é uma das melhores do mundo.

15. Na Austrália existe um lago cor de rosa chamado de Lago Hillier.

16. 91% do território da Austrália é coberto por algum tipo de vegetação.

17. Algumas personalidades famosas são australianas, entre elas Hugh Jackman, Mel Gibson, Nicole Kidman, Cate Blanchet e Heath Ledger.

18. Na Austrália, os motoristas utilizam a mão inglesa, dirigem pelo lado esquerdo

19. Atrás do Brasil a Austrália é o 6º maior país do mundo.

20. A Austrália tem o terceiro maior território oceânico do mundo.

21. Rica em fauna e flora exótica, a maioria delas não pode ser encontrada em nenhum outro lugar do mundo.

22. No estado de Victoria é proibido usar calça rosa, nos domingos após o meio dia.

23. E para fechar, uma das mais bizarras curiosidades australianas: O ex-primeiro-ministro do país, Bob Hawke, bateu um recorde mundial quando tomou 2 litros e meio de cerveja em apenas 11 segundos!

Fontes: Mistérios do Mundo, Inglês Treinando

Curiosidades sobre o Réveillon


O dia 31 de dezembro é celebrado no mundo todo como um dia transformador e renovador. O último dia do ano trás muitas esperanças e muito otimismo.

A festa é grandiosa em muitos países, como Brasil, França e Estados Unidos. Vamos conhecer agora algumas curiosidades sobre o Réveillon. Vale lembrar que o dia primeiro de janeiro é feriado da confraternização universal e da paz.

1 – O Réveillon foi comemorado pela primeira vez na Mesopotâmia por volta de 2.000 a. C.

2 – Na Dinamarca, a ceia de ano novo é à base de peixes e batatas.

3 – Na Escócia, homens e mulheres se beijam na boca para comemorar o ano novo e ter sorte.

4 – Os portugueses celebram o ano novo saindo às janelas para bater panelas.

5 – Na Espanha, as pessoas comem doze uvas, uma para cada badalada do relógio, para terem sorte no novo ano.

6 – A música “Adeus, Ano Velho” foi criada em 1951, por David Nasser e Franscico Alves.

7 – O Ano Novo passou a ser comemorado no dia 1° de janeiro no ano de 1582.

8 – O último lugar do mundo a celebrar o ano novo é a Ilha de Samoa, no Pacífico.

9 – Na China, as pessoas comemoram o Ano Novo durante seis semanas.

10 – Na Inglaterra, as pessoas usam as rolhas das garrafas de champanhe como amuletos.

Fontesitedecuriosidades

Terapia contra câncer é premiada com Nobel de Medicina.

James P. Allison e Tasuku Honjo são os ganhadores do Prêmio Nobel 2018 de Medicina. A Academia Sueca anunciou nesta segunda-feira (01) que o americano e o japonês irão dividir o prêmio de 9 milhões de coroas suecas, equivalente a R$ 4.098.402.

Os dois desenvolveram pesquisas, separadamente, sobre duas proteínas produzidas por tumores — a CTLA-4 e a PD-1 — que paralisam o sistema imune do paciente durante o tratamento de câncer.

“Os tumores produzem as proteínas, chamadas de checkpoints, que bloqueiam o linfócito T, que é a célula mais importante do sistema imune que ataca o tumor. Essas drogas [pesquisadas] retiram esse bloqueio e recuperam o poder de ataque dos linfócitos que estavam paralisados por essas proteínas”, explica o oncologista Fernando Maluf, diretor associado do Centro de Oncologia da Beneficência Portuguesa de São Paulo.

O imunologista James P. Allison, 70, da Universidade do Texas, estudou a proteína CTLA-4. Ele descobriu que um bloqueio da proteína poderia retirar o freio sobre os linfócitos T, fazendo com que as células voltassem a atacar o tumor. Em 1994, Allison realizou o primeiro experimento em ratos, que ficaram curados após o tratamento.

Em 2010, um estudo clínico mostrou efeitos “impressionantes”, segundo a Academia sueca, em pacientes com melanoma (um tipo de câncer de pele) avançado, que não haviam sido observados antes.

Já o imunologista Tasuku Honjo, 76, da Universidade de Kyoto, no Japão, estudou uma outra proteína, a PD-1, que também atuava sobre os linfócitos T, só que de forma diferente. Após experimentos em laboratório, um estudo realizado em 2012 também demonstrou eficácia em tratar pacientes com diversos tipos de câncer.

“Os resultados foram dramáticos, com remissão a longo prazo e possível cura em alguns pacientes com câncer metastático, uma condição que antes era considerada basicamente intratável”, afirmou a Academia.

Maluf explica que esse tipo de tratamento, a imunoterapia, já é utilizado em pacientes com câncer em estado avançado, no Brasil e no mundo, há cerca de quatro anos. No país, existe uma droga que bloqueia a CTLA-4 e outras cinco que atuam sobre a PD-1. Ele explica que, normalmente, são utilizadas em pessoas que não responderam a outros tratamentos.

A Academia sueca considerou que o desenvolvimento clínico de estratégias de imunoterapia havia sido modesto até as descobertas de James P. Allison e de Tasuku Honjo, consideradas um marco no combate à doença. Cientistas já tentavam acionar o sistema imune para lutar contra o câncer há mais de 100 anos.

Segundo a agência alemã Deutsche Welle, Allison, que afirmou se sentir honrado com o prêmio, contou que não tinha a intenção de estudar o câncer, mas de “compreender a biologia das células T, essas células incríveis que viajam pelo nosso corpo e trabalham para nos proteger”. O professor agradeceu a “uma série de estudantes de graduação, companheiros de pós-doutorado e colegas no MD Anderson”.

Também de acordo com a agência, Honjo disse que o que mais lhe agrada é ouvir dos próprios pacientes que conseguiram se recuperar de doenças graves em razão de suas pesquisas. O imunologista afirmou que deseja continuar com os estudos para salvar um número ainda maior de pessoas. Ele agradeceu seus colegas, estudantes e familiares que o apoiaram durante a realização da pesquisa.

Fonte: G1